Blog

Home/Blog

"Adult romantic love is an attachment bond, just like the one between mother and child." Sue Johnson Society has told us that in order to be independent, healthy adults, we need to separate ourselves from our parents, and learn to not depend on them for nurturing and comfort. However, the need to depend on one person, to know that when we call, that person will be there for us, never disappears. As psychiatrist John Bowlby said, “from the cradle to the grave,” we need to have someone to be there for us from the moment we are born until the moment we die. For this reason, romantic love is not illogical; it is, in fact, the continuation of an ordered plan for our survival. However, there is a difference: our partner doesn’t not have to be there physically. As children, we needed our caregivers in order to safe and protected. As adults, we can use mental images of our partner to call up a sense of connection. Whenever I have to do a presentation, I get anxious and nervous. What I do to calm down, is to picture my husband in mind and his encouraging words. The Laws of Love - 1

The Science of Love -1

“The eskimos had fifty-two names for snow because it was important to them: there ought to be as many for love.” Margaret Atwood  You know that feeling; that feeling of longing. It’s the ache that something vital is missing from your life. You want more; more meaning, more connection, more energy – more something. Longing is that feeling that course through your body just before you decide that you’re restless, lonely, or unhappy. Longing is not a state of mind, it’s physical. Your whole body craves some essential nutrient that it’s not getting, that is quite difficult to define. Sometimes you can numb this ache with a deep dive into work and television. More often than not, though, these and other attempts to fill the aching void are just temporary distractions. What you are longing for is love. Love is the essential nutrient that your cells crave: true positive connection with other living beings. Love nourishes your body the way the right balance of sunlight, nutrient soil, and water nourishes plants and allow them to flourish. The more you experience it, the more you open up and grow, becoming wiser and more attuned, more resilient and effective, happier and healthier. You grow spiritually as well, better able to see, feel, and appreciate the deep interconnections that tie you to others. Just as your body was designed to extract oxygen from the earth’s atmosphere, and nutrients from the foods you ingest, your body was designed to love. New science of love for the first time is able to prove this to be true. We know today, that the love you do or do not experience may quite literally change key aspects of cellular architecture that affect [...]

A ciência do amor – 1

Sabe aquela sensação; aquele sentimento de saudade? É a dor que algo vital está faltando em sua vida. Você quer mais; mais significado, mais respeito, mais energia - mais alguma coisa. Saudade é aquela sensação de que algo no seu corpo está errado antes de você decidir que você está inquieto, só ou infeliz. Saudade não é um estado de espírito, é físico. Todo o seu corpo anseia por algum nutriente essencial que ele não está recebendo, que é bastante difícil de definir. Às vezes você pode entorpecer essa dor com um mergulho profundo no trabalho e na televisão. Na maioria das vezes, porém, essas e outras tentativas para preencher o vazio doloroso são distrações apenas temporárias. O que você está desejando é o amor. O amor é o nutriente essencial que suas células anseiam: uma conexão positiva verdadeira com os outros seres humanos. O amor alimenta seu corpo de maneira que traz o equilíbrio certo como a luz sol e água nutrem as plantas e permitir-lhes florescer. Quanto mais você experimentá-lo, mais você vai abrir e crescer , tornando-se mais sábio e mais sintonizado , mais resistente e eficaz, mais feliz e mais saudável. Você cresce espiritualmente, torna-se mais capaz de ver, sentir e apreciar as interconexões profundas que o une aos outros. Assim como seu corpo foi projetado para extrair oxigênio da atmosfera da Terra e os nutrientes dos alimentos que ingere, o seu corpo foi projetado para amar.

It is difficult to talk to my partner. How do I get my partner to open up?

Every couple has a dance, a cycle. There are moments that the couple is fully in sync with each other, but there are moments of missteps. In the dance of tango there is no script, is the connection with the partner that determines the next step. If we are not in sync, we will step on each other toes. Every couple has those moments, but we need to repair the disconnection. Complaints and criticism towards our partner are not the best ways to repair the disconnection. These actions may lead our partner to shut down and be distant emotionally. It's important to do some self-evaluation. Are you emotionally and physically available to your partner? Is it easy for your partner to access you? Is your partner able to share his or her feelings with you? Whenever someone is struggling, the person will send out some signals. Can you pick up the signals your partner is sending you? A good start is to begin a conversation about the sense of disconnection you have noticed and difficulty both of you are having in communicating with one another.  Ask your partner about the things you might be doing that are causing him or her to shut down. This is a difficult step, but it can be helping in restoring connection.   When listening, keep your mind and heart open to hear your partner's views of the problem. Make sure to set aside any kind of judgment about the things your partner is sharing with you. Be humble to see that there are new things to be learned. Let the words come and have an impact in your life. Listening to your partner's perspective, shows that you respect his or her thoughts and [...]

The Laws of Love – 1

"The primary and main human instinct is neither sex nor aggression. It is to seek contact and comforting connection from another being."  Sue Johnson   English psychiatrist, John Bowlby, was the first to give us an understanding of love. Bowlby suggested that all of us are designed to love a few others to keep us feeling safe and protected from birth until the time we die. Sue Johnson, in her book "Love Sense," says that "although sex may push us to mate, it is love that guarantees our existence." When we come into the world, our attachment system has been hard-wired to seek connection with another human being. If you watch a baby being born, you will notice the way the baby will reach out to connect to the person who has been carrying him or her for nine months. The brain attachment system moves us to pursue physical closeness and build interactions with a few of our closest people, beginning with our mother. Reference: Johnson, S. M. (2013). Love sense: The revolutionary new science of romantic relationships.

O que a ciência diz sobre o amor – 1

O instinto humano básico e principal não é sexo nem agressão. É a buscar contato e conexão reconfortante de outro ser.   O psiquiatra Inglês, John Bowlby, foi o primeiro a oferecer-nos essa visão do que hoje chamamos de apego. Bowlby propôs que somos projetados para amar algum outro ser que vai nos segurar e proteger desde o berço até o túmulo. Embora o sexo possa nos empurrar para acasalar, é o amor que garante nossa existência. Quando viemos ao mundo, chegamos vazios para procurar conexão com outro ser humano. Se você assistir um bebê nascer, vai notar a maneira como ele vai se ligar à pessoa que o formou por nove meses. O sistema de apego do cérebro move a criança a buscar proximidade física e construir interações com algumas de suas pessoas mais próximas, começando com a mãe. Os bebês vêm com uma coleção de comportamentos - olhando, sorrindo, chorando, agarrando-se para chamar a atenção.  Estes comportamentos atraem o cuidado e proximidade dos adultos.

O que a ciência diz sobre o amor – 2

Amor romântico adulto é um laço afetivo assim como o que existe entre mãe e filho Por um tempo, nós acreditamos que à medida que amadurecemos superamos a necessidade de proximidade intensa, carinho e conforto que tivemos com nossos cuidadores, e que as relações românticas adultas eram basicamente de natureza sexual. Esta é uma visão distorcida do amor adulto. A necessidade de depender de uma pessoa preciosa, saber que quando chamamos essa pessoa estará lá para nós, nunca vai desaparecer. Nós simplesmente transferimos essa necessidade do nosso cuidador principal para o nosso amante. Portanto, o amor romântico não é ilógico, é, de fato, a continuação de um plano ordenado para a nossa sobrevivência. No entanto, há uma diferença: o nosso parceiro não tem que estar lá fisicamente. Quando crianças, precisávamos de nossos cuidadores perto, a fim de estarmos seguros e protegidos. Como adultos, podemos usar imagens mentais de nosso parceiro para chamar um senso de conexão. Sempre que eu tenho de fazer uma apresentação, fico ansiosa e nervosa. O que eu faço para me acalmar, é imaginar o meu marido em mente e as suas palavras encorajadoras. O que a ciência diz sobre o amor - 1

Como lidar com a traição. Não quero me separar.

Mostre ao seu parceiro que quer refazer o relacionamento, mas ele também precisa querer. Se ele quiser seguir com você, deve ter responsabilidade em relação à situação, remorso pelo erro. Os dois devem trabalhar juntos para impedir que novas situações assim se repitam. Um novo relacionamento. Aberto, com acesso ao telefone e computador, por exemplo. Isso mostra confiança.

Suspeito que estou sendo traída (traído). O que faço?

Existem muitos lados em uma situação como essa. O primeiro passo é confrontar, não se esconder e, para isso, você deve falar com o seu parceiro sobre sua suspeita, mas saiba que o foco dessa conversa não deve ser a traição propriamente dita e sim no relacionamento de vocês, no que vão fazer a respeito disso. Pergunte se ele quer seguir nessa outra relação ou restaurar a de vocês e se vocês forem seguir juntos, essa terceira pessoa não pode mais estar entre os dois. Esse confronto pode fazer com que o casamento acabe, mas é um risco que se deve correr. Não tenha o foco na outra mulher/homem e nem perca o respeito. Saiba ouvir e fale de coração aberto. Demonstre humildade em admitir que errou no relacionamento e se mostre pronta a reconstruir a sua vida a dois.

Estamos em dificuldades financeiras e, por causa disso, só brigo com meu marido/esposa. Não sei o que fazer.

A maneira como você lida com esse estresse pode causar impactos no relacionamento. É preciso parar para ver o que estamos fazendo diante de situações como, por exemplo, a compra de alguma coisa considerada supérflua pelo parceiro. Você pode se sentir menos amada quando vê seu parceiro comprando algo que não seria necessário. Uma alternativa é não apontar o outro como culpado de alguma coisa. Apenas mostre como se sente. Fale sobre o medo que tem em relação a toda essa dificuldade financeira. Precisa compartilhar exatamente o que sente, expor os sentimentos. Tome essa postura porque para o homem é mais difícil já que culturalmente eles são ensinados a não demonstrar os sentimentos.